SAÚDE

SP: número de mortes está estável ou em queda em 89% dos municípios

Publicados

em


source

Agência Brasil

Jean Gorinchteyn, novo secretário de saúde de São Paulo, em coletiva
Reprodução/Governo SP

Jean Gorinchteyn, novo secretário de saúde de São Paulo


O secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn , disse hoje (31) que 83 dos 645 municípios do estado de São Paulo estabilizaram ou diminuíram o número de internações pelo novo coronavírus nos últimos dias. Gorinchteyn também disse que 89% dos municípios do estado apresentam estabilidade ou queda no número de mortes , incluindo a capital paulista.


Segundo Gorinchteyn, a capital paulista obteve esta semana “a menor taxa de internações e de óbitos” pelo novo coronavírus dos últimos três meses, cenário que vem se mantendo em queda há duas semanas. “Mostrando uma condição de controle da doença no município”, disse.

Nesta 31ª Semana Epidemiológica – que corresponde ao período entre 26 de julho e se encerra amanhã (1º), a capital vem apresentando uma alta na média móvel diária de casos. Segundo dados do governo paulista, a média é de 2.914 novos casos contabilizados a cada dia desta semana. A média móvel é calculada somando-se a quantidade obtida na semana e dividindo-se pelo número de dias.

No entanto, quanto às novas internações , esta semana [ainda não encerrada] vem demonstrando queda na capital: a média móvel está em torno de 583 novas internações por dia, o menor número desde o início de maio. A maior média diária neste período foi registrada na 24ª semana (entre os dias 7 e 13 de junho), com 823 internações por dia.

Leia Também:  Municípios da Região Metropolitana de Campinas recebem respiradores

Em relação às mortes, a capital também vem apresentando queda na 31ª Semana Epidemiológica, somando 53 óbitos por dia, menor valor desde maio.

Média móvel no estado

No estado como um todo, a média móvel diária de casos vem sofrendo um grande aumento, com cerca de 9.992 novos casos por dia na 31ª Semana Epidemiológica, a maior desde maio. Isso se deve, segundo o governo paulista, a um aumento da testagem no estado. “Apesar de elevarmos os números de casos, impactamos menos, muito menos, em [número de] mortes e internações. E isso se deve à testagem”, disse o secretário da Saúde.

Nesta semana, o estado vem registrando uma média de 1.779 novas internações por dia, menor valor contabilizado desde a 23ª Semana Epidemiológica (entre os dias 31 de maio e 6 de junho). Caso os dados se confirme após o final desta semana [que ocorre amanhã], esta será a segunda semana seguida de queda de internações no estado.

Quanto à média móvel diária de mortes, ela está em torno de 239 mortes por dia no estado. O patamar é considerado alto, acima de 200 mortes por dia, desde a 22ª Semana (entre os dias 24 e 30 de maio), mas se esboça uma queda pela segunda semana consecutiva, caso a média desta semana se confirme neste patamar.

Leia Também:  Deputados questionam número de leitos de UTI no DF e rechaçam fala de Ibaneis

Interiorização

Segundo Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional, 640 dos 645 municípios do estado registram ao menos um caso do novo coronavírus, comprovando a interiorização da pandemia. Em 474 deles foram registrados ao menos um óbito.

“Os números que vamos passando da interiorização se tornam cada vez mais agudos”, disse Vinholi. Isso é comprovado, segundo ele, pelo fato de que o interior passou o número de casos registrados tanto na capital quanto na região metropolitana somados.

“Nos últimos sete dias tivemos 57,88% dos casos no interior do estado, enquanto tivemos 42,11% na capital e na região metropolitana juntas nesse período. Pela primeira vez tivemos mais casos no interior que a capital e região metropolitana juntas”.

Quanto aos óbitos, o interior foi responsável por 59,86% do total do estado contabilizado nos últimos sete dias, enquanto a capital e a Grande São Paulo corresponderam a 40,14%.

A taxa de letalidade do estado, que é o calculo da proporção de mortes sobre o total de casos, está hoje em 4,3%, a menor taxa registrada desde o início da pandemia.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Cariocas deverão manter isolamento social até dia 20

Publicados

em


source
Wilson Witzel governador do Rio de Janeiro
Carlos Magno

Decreto assinado pelo governador Wilson Witzel (PSC-RJ) prorroga medidas de isolamento social até o dia 20 de agosto no RJ

Um novo decreto publicado nesta quinta-feira (6) prorrogou as medidas de isolamento social em todo o Rio de Janeiro até o dia 20 deste mês. O documento foi publicado no Diário Oficial pelo Governo do Estado e especifica os parâmetros que deverão ser mantidos.


O documento foi assinado por Wilson Witzel (PSC-RJ) e evidencia que o prolongamento das medidas se dá pela necessidade de atualizar as normas de enfrentamento ao novo coronavírus (Sars-Cov-2). No Twitter, o governador informou a permanência da suspensão de atividades com público, aulas presenciais e permanências em praias. 

Leia Também:  Covid-19: Argentina tem pior dia de casos e mortes desde início da pandemia

O texto do decreto tem como objetivo “resguardar o interesse da coletividade na prevenção do contágio e no combate da propagação da Covid-19” e por isso suspende eventos que possam gerar aglomerações de pessoas como: eventos esportivos, shows, festas e até mesmo passeatas.

Cinema, teatro e afins também continuam suspensos, no entanto, o decreto autoriza atividades culturais no modelo drive in que obedeçam o distanciamento social . Eventos esportivos de alto rendimento também são permitidos, desde que sem público.

Quanto a volta às aulas, na quarta (5) Witzel assinou outro decreto, em que determinava que o retorno presencial seria prorrogado até 20 de agosto . No novo documento, aulas práticas dos cursos da área de saúde em instituições privadas de ensino superior foram autorizadas.

Leia Também:  Covid-19: vacina chinesa pode ficar pronta até o final deste ano

Pontos turísticos, bares, restaurantes e lanchonetes podem funcionar com apenas 50% da capacidade e são orientados a fornecer condições de higiene das mãos e utilização de máscaras .

O documento estabelece que a decisão final sobre a operação em feiras livres cabe às prefeituras, mas legisla que as barracas em funcionamento devem manter distanciamento mínimo de um metro e que todos os feirantes devem oferecer álcool 70% aos consumidores.

Os responsáveis por templos e igrejas foram informados de que devem orientar seus fiéis a não frequentarem as celebrações caso apresentem sintomas de gripe. No mais, regras estabelecem manutenção de todas as áreas ventiladas, distanciamento social e higienização das mãos dos religiosos, que são obrigados a utilizar máscaras de proteção individual como medida de segurança.

Uso de máscara

Em locais públicos e em estabelecimentos privados que tenham autorização para funcionar o uso de máscaras segue obrigatório . Para profissionais de saúde que trabalham no enfrentamento direto da pandemia, o uso do modelo N95 segue prioritário.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

GOIÁS

SEGURANÇA

BRASIL E MUNDO

MAIS LIDAS DA SEMANA