SAÚDE

Itália começará vacinação contra Covid-19 em janeiro, diz ministro

Publicados

em


source
Di Maio explicou que o governo italiano assinou um acordo com vários países europeus que prevê 250 milhões de doses de vacina contra a Covid-19
Foto: Pixabay

Di Maio explicou que o governo italiano assinou um acordo com vários países europeus que prevê 250 milhões de doses de vacina contra a Covid-19


A Itália iniciará a campanha de vacinação contra a Covid-19 a partir de janeiro de 2021, informou o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio.

“As primeiras doses da vacina vão chegar à Itália no final do ano. E, a partir de janeiro, vamos começar a vacinar”, afirmou o chanceler durante a gravação do programa de TV “Acordo e Desacordos”.

Durante a entrevista, Di Maio explicou que o governo italiano assinou um acordo com vários países europeus que prevê 250 milhões de doses de vacina contra a covid-19. “Vamos poder respirar e será um sinal de confiança também para os mercados mundiais”, acrescentou.

Leia Também:  Vacina de Oxford mostra eficácia na criação de anticorpos contra Covid-19

Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores havia anunciado que as primeiras doses do imunizante da Universidade de Oxford chegarão ao país até o final do ano.

Itália vive momento de alerta

A Itália vive um momento de preocupação devido ao aumento no número de novos casos de Covid-19.

No entanto, apesar do crescimento, o governo italiano descarta decretar um segundo lockdown nacional.

A Itália registrou 10.010 novos casos pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, disse o Ministério da Saúde. É a maior contagem diária desde o início do surto no país. O recorde anterior havia sido na quinta-feira (15), quando o país contabilizou 8.804 novas infecções.

O governo italiano impôs na última terça-feira (13) novas restrições a reuniões, restaurantes, esportes e atividades escolares em uma tentativa de diminuir o aumento de infecções.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Sem apresentar dados, ministro diz que vermífugo ajuda no tratamento da Covid-19

Publicados

em


source
Marcos Pontes diz que medicamento é eficaz
Foto: Alan Santos/PR

Marcos Pontes diz que medicamento é eficaz

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, disse nesta segunda-feira (19) que o vermífugo nitazoxanida apresentou resultados positivos no tratamento precoce de pacientes com Covid-19 dentro de uma pesquisa coordenada pela pasta.

O anúncio do ministro ocorreu em uma cerimônia para anunciar a conclusão de um estudo de reposicionamento do  antiparasitário no tratamento da Covid-19.

Sem dar detalhes dos resultados ou apresentar a íntegra do estudo, o governo informou que os testes clínicos com voluntários já mostrou que o medicamento reduziu a carga viral quando foi tomado em até 3 dias depois do início dos sintomas.

Em outros países, a nitazoxanida já foi estudada e descartada. No Brasil, porém, o ministério manteve as pesquisas por quatro meses em 16 cidades brasileiras. O resultado final deve ser publicado em uma revista científica, segundo o governo.

Leia Também:  Vacina de Oxford mostra eficácia na criação de anticorpos contra Covid-19

A nitazoxanida é um medicamento utilizado no país pelos nomes comerciais Azox e Annita e faz parte do grupo dos antiparasitários e vermífugos. Com a pandemia, a droga passou a ser vendida apenas com prescrição médica em abril deste ano. Entretanto, uma decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de 1º de setembro retirou a exigência de retenção da receita.

“Nós temos agora um medicamento comprovado cientificamente que é capaz de reduzir a carga viral. Com essa redução da carga viral, significa que reduz o contágio. As pessoas que tomam o medicamento assim que fazem o teste diagnóstico e descobrem que estão com covid, toma o medicamento nos primeiros dias, essa pessoa contamina menos outras pessoas. E mais, diminui a probabilidade de essa pessoa aumentar os sintomas, ir para o hospital e falecer”, afirmou Pontes.

Na bula, onitazoxanida é recomendado para o tratamento de gastroenterites virais causadas por rotavírus e norovírus, helmintíases, amebíase, gardíase, isosporíase, balantidíase, blastocistos, criptosporidíase e outras infecções por vermes.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

GOIÁS

SEGURANÇA

BRASIL E MUNDO

MAIS LIDAS DA SEMANA