Pará

Em Breves, no Marajó, projeto da Emater ‘Hortas em Pequenos Espaços’ dá os primeiros frutos

Publicados

em


A dona de casa Josirene de Melo, em Breves, no Marajó, exibe parte de sua horta desenvolvida com as orientações técnicas da Emater“Eu gostei da experiência que já está dando bons resultados”. O depoimento é da dona de casa Josirene de Melo, em Breves, no Marajó, uma entre 100 mulheres participantes de oficinas sobre “Hortas em Pequenos Espaços” promovidas pelo escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará ( Emater).

De acordo com o supervisor do escritório regional do Marajó, Alcir Borges, o projeto iniciado no município de Breves, em novembro de 2020, deve ser estenddio para outros municípios marajoaras, atendidos pelo escritório regional.

Alcir Borges informou que a intenção é difundir informações sobre cultivo de hortaliças em recipiente alternativos e espaços disponíveis nas residências, atendendo a demanda espontânea de moradores da região.

O cultivo de hortaliças em recipientes e espaços, por vezes, pequenos, é ensinado em oficinas do Regional da Emater, em Breves “Sempre procuram nossos escritórios para informação sobre cultivo de hortaliças, assim como buscam saber sobre adubação, defensivos etc, e a partir dessa procura o Regional organizou o projeto Horta em Pequenos Espaços, considerando essa demanda e oportunizando conhecimento a partir de capacitações rápidas realizadas a partir de novembro de 2020”, disse o supervisor da Emater, em Breves.

Leia Também:  Torna-se Lei projeto de Lissauer que beneficia indígenas e quilombolas

Alcir Borges informou, ainda, que “inicialmente, devido à demanda, priorizamos as mulheres e jovens da cidade, mas hoje está disponível a todos que se interessem por cultivo de hortaliças. Com esse tipo de ação, a Emater cumpre seu papel institucional levando soluções para as pessoas interessadas no cultivo de hortaliças”.

Em novembro e dezembro de 2020, foram realizadas quatro capacitações com alcance de cerca de 100 pessoas. A ação promovida pela Emater contou com a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), dos sítios ‘Seu Culega’ e ‘Horta na Porta’ e da empresa Leal Plantas.

Na casa de Josirene de Melo, as plantas crescem e dão os primeiros frutos em pequenos locais como vasos e embalagens plásticas“Faz um mês que a gente fez o curso e já consegui colher as pimentinhas, chicória e o cheiro verde. Também plantei a Pitaya que está brotando, pois demora um pouco mais para dar frutos, mas estou muito satisfeita”, garantiu a dona de casa Josirene de Melo, de Breves no Marajó, que tem visto suas plantas germinarem, crescerem e até darem os primeiros frutos em pequenos locais como vasos e embalagens plásticas, no quintal e até dentro de casa.

Leia Também:  Terapia Ocupacional do HOL produz órteses para pacientes em terapia intensiva
Fonte: Governo PA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Pará

Pará foi o maior gerador de empregos na região Norte em 2020

Publicados

em


Mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, o Para foi o estado que mais gerou empregos formais na região Norte em 2020, uma alta puxada principalmente pelo setor da construção civil. De acordo com um balanço divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA), foram quase 10 mil postos de trabalho só nessa área, entre janeiro e novembro, levando em consideração as admissões e os desligamentos. O bom resultado deve-se, entre outros fatores, aos investimentos em obras e programas por parte do governo do Estado.

No entanto, houve queda na geração de empregos formais em dezembro passado, e um saldo negativo de 1,4 mil postos, sendo 60 do setor da construção civil.

O titular da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Inocêncio Gasparim, comenta a expectativa de um 2021 de mais números positivos. 

“Nossos resultados representam 60% dos empregos nessa atividade econômica em todo o Norte, e estão ligados ao trabalho que o Governo faz de atração de investimentos de recursos, com trabalho acelerado para a concessão de licenças estrutura e infraestrutura para implantação de novas empresas”, avalia o gestor, lembrando que obras estruturantes e reconstrução de escolas e prédios públicos capitaneados pelo Estado também fazem a diferença nesse cálculo. 

“A Seaster não parou durante a pandemia e fez a intermediação de mão de obra em várias frentes e, tomando os devidos cuidados, vamos continuar, vamos melhorar em 2021”, antecipa Inocencio.

Leia Também:  HPS João Lúcio é destaque no projeto "Lean nas Emergências"

Paulo de Oliveira, 50, mora em Ananindeua e está desde setembro trabalhando como pedreiro nas obras do BRT Metropolitano, conduzidas pelo Governo do Pará.

“Trabalhei por dois anos no outro BRT e é uma honra, é gratificante fazer parte de um projeto que vai fazer tanta diferença na vida das pessoas. Eu deveria estar trabalhando desde abril, mas por causa da pandemia tive que esperar mais um pouco. Hoje a renda que eu ganho mantém a casa e a vida com a minha esposa”, conta o trabalhador.

Análises – Técnico e pesquisador do Dieese, Everson Costa, afirma que o Pará gerou quase 40 mil empregos no total durante todo o ano passado, sendo o 10º estado brasileiro no ranking da geração de postos de trabalho. O impacto é ainda mais significativo por se tratar de um setor que mexe como um todo na economia.

“O emprego que é gerado no setor da construção civil coloca dinheiro, coloca condição e poder de compra na mão dos trabalhadores. Eles, por sua vez, dinamizam a economia a partir do momento em que partem para o consumo, seja no comércio, seja no serviço ou nos outros setores”, justifica.

Leia Também:  Aprovado projeto que permite a presença de bichos de estimação nas escolas

Ele destaca como decisões acertadas o sistema de bandeiramento implementado nas regiões do Estado, permitindo organização no retorno gradual das atividades, e a própria agenda estadual de obras públicas. A queda registrada em dezembro é esperada, já que as condições climáticas do período naturalmente desaceleram o expediente.

“A manutenção positiva da geração de empregos é um bom receptor para 2021, e cresce o otimismo, porque nós já estamos com vacina. À medida em que a gente vai vacinando a população, conseguimos trazer a normalidade de volta e expandir o plano de retomada econômica. Certamente, teremos a continuidade de obras públicas e outros fatores positivos fundamentais para ditar o ritmo de crescimento”, sugere Everson.

Fonte: Governo PA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA