MULHER

Todos os tons: confira 7 dicas de maquiagem para a pele negra

Publicados

em


source
afrodeusas
Divulgação AfroDeusas/Foto por capitu.__

dicas de maquiagem pele negra


maquiagem é um item muito importante na vida de diversas pessoas, seja para incrementar um look ou para se expressar por meio das cores . Cada pele é única e merece  cuidados e atenções para áreas distintas, e isso faz com que as dicas de maquiagem para cada uma delas sejam diferentes.



Isso inclui a pele negra e suas mais diversas tonalidades. Para entender as singularidades de cada pele e como adaptar os cosméticos da melhor maneira, o iG Delas convidou a cabeleireira Joyce Soares, que é maquiadora e trançadeira no salão de beleza AfroDeusas , localizado em Santo André, na Grande São Paulo. Veja seguir algumas dicas de maquiagem para peles negras de todos os tons.






Joyce diz que a maquiagem é uma arte e uma maneira de cada pessoa demonstrar sua essência. Portanto, ela reforça que essas dicas são sugestões e não regras. “A maquiagem deve sempre ser usada para se divertir e de maneira que te faça feliz”, afirma a especialista.

1- Preparação


Joyce conta que a preparação da pele é essencial para a maquiagem , independente do tom dela. Antes de começar a aplicar os produtos, é importante que ela esteja limpa e hidratada. A especialista conta que a  pele negra é mais propensa a ser mista ou oleosa . “É importante descobrir qual é o seu tipo de pele e utilizar sabonetes, protetores e hidratantes específicos”, diz.

2- Atenção para o fundo da pele

círculo cromático
Pinterest

círculo cromático


O fundo da pele de uma pessoa é um detalhe fundamental para pensar na maquiagem . Joyce explica que a maioria das mulheres negras têm fundo de cor amarelado ou avermelhado. Por esse motivo, é ideal buscar por  bases e pós que tenham tons e subtons quentes. “Produto em que há incidência de branco ou tons frios, que são os que remetem a cinza ou fundo rosado, inclinam-se a causar um efeito acinzentado nas peles negras”, justifica a maquiadora.

3- Teste sua base


Antes de investir em um produto, faça o teste! A melhor maneira de fazer isso, de acordo com Joyce, é aplicando a base no pescoço e na lateral do rosto. “A base ideal será a que melhor se adequar a essas duas partes do corpo. Escolha a cor de tom igual ou mais escuro que a sua pele”, diz.

4- Aposte em sombras quentes


Esse princípio de cores também pode ser pensado no momento de aplicar as sombras . A especialista afirma que as cores quentes são as que mais se destacam na pele negra. “Em um quadro branco as cores sempre aparecem mais. Então utilize sempre um corretivo ou dois tons mais claros do que a sua pele antes de aplicar a sombra. Isso vai tornar o tom mais intenso”, sugere.

5- Finalize com pó de banana


Muitas pessoas negras que se maquiam utilizam pó de banana na finalização da maquiagem. Mas Joyce afirma que isso não é uma regra e que, em tons de pele mais retintos, o pó pode causar efeito acinzentado.

No caso de pessoas de pele retinta , é importante aplicar produtos que sejam mais escuros e observar o fundo da cor da pele. “Mesmo se sua pele for mais clara, utilize o pó de banana só nas áreas de iluminação e um pó mais escuro nas áreas de contorno. Lembre-se: uma pele bem selada é muito importante para a duração da maquiagem”, afirma Joyce.

6- Evite o preto nas sobrancelhas


Joyce afirma que a cor preta deve ser evitada nas sobrancelhas , mesmo que a raiz dos fios de cabelo sejam escuros. O melhor é investir no marrom escuro, porque esse tom neutraliza a maquiagem. Ela recomenda o uso de lápis demográficos, pastas ou sombras.

7- Foque na iluminação


Joyce explica que a pele negra , principalmente as de tom mais retinto, já possuem contorno. Por esse motivo, você pode colocar o foco na iluminação. “Lembre-se de observar o fundo de cor dos produtos, tanto no corretivo quanto no iluminador , e não use produtos com incidência de tons brancos”, orienta.

Bônus


A última das dicas de maquiagem de Joyce é que o importante é usar o que te faz feliz! Além disso, ela reforça a importância de utilizar marcas de cosméticos que trazem em seus produtos  diversidade de tons de pele.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Como o travesseiro pode ser culpado pelo surgimento de acne e até rugas no rosto
Propaganda

MULHER

Carolinie Figueiredo fala sobre violência obstétrica em carta aberta

Publicados

em


source
carolinie figueiredo
Instagram/Reprodução

Atriz também é terapeuta e educadora parental

A atriz Carolinie Figueiredo usou o dia de ontem (25), Dia Internacional do Combate à Violência Contra a Mulher,  alguns dias após relembrar o abuso sexual que sofreu , falou sobre a violência obstétrica sofrida durante sua primeira gravidez.

A ex-Malhação tem 31 anos e dois filhos, Bruna Luz, de nove anos e Theo, de 6. Em uma carta aberta, ela contou a experiência de dar luz à Bruna, que fez aniversário também no dia de ontem:

“Minha história de compreensão e elaboração da violência começou há nove anos, na chegada da minha filha ao mundo. Por ter sido um parto vaginal e sem anestesia, eu não compreendia o que tinha acontecido, mas algo me parecia errado. Eu tinha 22 anos. Dois anos depois do nascimento dela, eu estava grávida do meu segundo filho. Ao repassar as experiências do primeiro parto com a médica, ela me disse: ‘O que aconteceu foi uma violência obstétrica e você precisa elaborar isso’.”.

Leia Também:  Dia de eleições e auxílio na conta! Caixa faz depósitos neste domingo; confira

“Um filme passou na minha cabeça: não só a privação de água e comida, o impedimento de movimentar meu corpo. Não só as palavras de descrédito e humilhação sobre meu processo de parir, mas também a manobra de Kristeller (prática antiga da obstetrícia, que consiste em empurrar a barriga da mulher com toda força para que o bebê saia mais rápido; superperigosa pro bebê e para a mãe, altamente violenta). Doem também as memórias de trazer minha filha ao mundo gritando: ‘Não, não, não’, enquanto eu tentava fechar as pernas pra me proteger da dor. Essas dores estão vivas nas nossas células, na sensação física de limites que foram atravessados. Fica a vontade de chorar, o nó na garganta, asmemórias que estão gravadas e emergem nos registros do corpo.”

Ela terminou o relato dedicando sua luta por uma sociedade mais igualitária à filha aniversariante, esperançosa de que a menina viverá em um mundo melhor.

“Filha, hoje é seu aniversário de 9 anos. Parte do meu trabalho de despertar é limpar o terreno para que você pise com mais segurança. Estamos abrindo espaço para que seu caminho seja mais livre e mais justo. Esse movimento não é só meu, mas de todas mulheres que vieram antes, são por nossas avós, bisas, tias, primas… Mulheres que atravessaram tudo isso sem ter espaço de fala e escuta. Quando você puder compreender toda essa história, minha filha, eu espero que você sinta orgulho e admiração por esse movimento.”

Leia Também:  Móveis de madeira: dicas de conservação para mantê-los sempre novos
Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA