DISTRITO FEDERAL

Pronação ajuda no tratamento precoce da Covid-19

Publicados

em


.
Técnica é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) | Foto: Secretaria de Saúde

Para tratar as possíveis complicações que a Covid-19 traz aos pulmões, a técnica chamada de pronação – o paciente fica em “posição de bruços” para ajudar na respiração – foi implantada no Hospital Regional do Gama (HRG). A pronação é mais comum nas unidades de terapia intensiva (UTIs) e utilizada em pacientes que possuem doenças respiratórias graves, como pacientes com desconforto respiratório grave causado pelo coronavírus.

No HRG, o coordenador de fisioterapia da emergência, Estevão Diniz, tem utilizado de forma precoce a posição prona para tratar as possíveis complicações que a Covid-19 traz aos pulmões. A técnica tem apresentado resultados positivos nos pacientes que chegam à emergência e estão na enfermaria do bloco respiratório.

A pronação é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para pacientes graves da Covid-19.

Dados

De acordo com pesquisas, enquanto a maioria dos pacientes infectados não desenvolve complicações ou apresenta apenas sintomas leves, aproximadamente 14% evolui para um estágio mais grave que requer hospitalização, suporte de oxigênio e, por vezes, ventilação mecânica (VM). Em relação à evolução dos quadros, a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é responsável por acometer entre 31% e 67% dos pacientes. A técnica prona pode evitar esse estágio.

Técnica já é utilizada no Hospital Regional do Gama em pacientes com síndromes respiratórias graves | Foto: Secretaria de Saúde

Essa estratégia da fisioterapia consiste em posicionar o paciente em decúbito ventral (barriga para baixo), o que deve resultar em distribuição mais uniforme do estresse e da tensão pulmonar, melhora da relação ventilação/perfusão, da mecânica pulmonar e da parede torácica. A ação, de acordo com nota técnica da Associação Brasileira de Fisioterapia, tem contribuído para redução da duração da VM e da taxa de mortalidade avaliada em um seguimento de 28 a 90 dias.

Recuperação

Segundo Estevão, a equipe observou que os pacientes que recebem a técnica apresentam melhora considerável. Em alguns casos, quem possivelmente teria indicação de ventilação mecânica não precisou do suporte.

“Conseguimos perceber uma melhora significativa nesses pacientes que chegam aqui com dificuldade respiratória e baixa oxigenação. Inclusive, no momento da alta, estamos recomendando a técnica para ser continuada em casa”, explica.

Estevão: “Conseguimos perceber uma melhora significativa nesses pacientes. Inclusive, no momento da alta, estamos recomendando a técnica para ser continuada em casa” | Foto: Secretaria de Saúde

O profissional destaca que o processo melhora a relação difusão-perfusão mesmo com o paciente acordado e lúcido. No protocolo adotado, o ideal é que a pronação seja utilizada nas primeiras 48 horas em pacientes que apresentem falta de ar. Ela é mantida por pelo menos 16 horas.

No entanto, a primeira observação da técnica já é feita após uma hora em posição prona, em que é executada uma gasometria para avaliar se o paciente responde ou não a essa estratégia.

Junto com esse manejo são utilizadas outras técnicas de fisioterapia motora e respiratória. São movimentações precoces e exercícios respiratórios que ajudam a melhorar a dinâmica respiratória do paciente.

Isso contribui para uma melhor interação e resposta do corpo no combate à doença. Assim, o organismo consegue manter-se estável e atuante no processo de ataque viral da patologia.

* Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: Governo DF

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  GDF Presente recolhe 103 toneladas de entulho em Ceilândia
Propaganda

DISTRITO FEDERAL

Museu Vivo da Memória Candanga expõe arte e história em suas redes sociais

Publicados

em


.

Foto: Lúcio Bernardo Jr. | Agência BrasíliaA exposição permanente “Poeira, Lona e Concreto” é parada obrigatória para quem visita Brasília. Espécie de menina dos olhos do Museu Vivo da Memória Candanga (MVCV), espaço cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec), a mostra pode agora ser vista por pessoas de qualquer parte da mundo.

Ao lado de “Casa de Madeira de Seu Pedro”, ganha, simultaneamente, as redes sociais da instituição (Instagram e Facebook).

Na série intitulada “Museu Vivo em Casa”, o acervo de edificações históricas, peças, objetos e fotos da época são revelados em detalhes, além de permitir que o internauta aprecie os jardins, as alamedas, as galerias do Museu Vivo da Memória Candanga, um dos espaços mais antigos do Distrito Federal.

A gerente do Museu Vivo, Eliane Falcão, destaca que, diante da pandemia, foi preciso articular meios alternativos para continuar difundindo um trabalho que preserva viva a história da cidade. “Vamos promover nas redes todas as memórias e particularidades do momento em Brasília nasceu”, celebrou.

“Poeira, Lona e Concreto” é composta de diferentes ambientações, que inclui fotografias, textos, móveis e objetos do início de Brasília. A mostra reúne de documentos importantes da “Missão Cruls” até projetos de Lucio Costa e de Oscar Niemeyer, além de acomodações dos pioneiros. Há ainda detalhes da vida de inúmeras famílias, fazendo com que a representação sociocultural se materialize para cada visitante.

Leia Também:  Mês com maior alta da Covid registra média de isolamento social de 39,2% em MS

Eliane Falcão considera importante que todo esse conhecimento seja disponibilizado de modo virtual. “A história dos candangos é retratada nessas exposições permanentes no Museu Vivo. São as principais vocações desse espaço cultural, pois demonstram a sensação de sonho realizado ao se estabelecerem na Capital Federal”.

“O Cerrado de Pau de Pedro” homenageia o acervo do artista popular radicado no DF, Pedro de Oliveira Barros, mais conhecido como seu Pedro, morto em 2005. A identificação do artista com a terra e a natureza fez com que ele procurasse nelas o seu  sustento. Pedaços de paus retorcidos, queimados e desprezados no cerrado viravam arte nas mãos do mestre Pedro, que lhes dava cores e formas, reinventando o meio natural.

Pelas mãos de seu Pedro, a história do início do Distrito Federal é contada pela riqueza de sua fauna e flora. As esculturas de “Cerrado de Pau de Pedro” retratam a diversidade da região escolhida para sediar a nova capital. Reinventando a natureza, mestre Pedro transmitiu em sua forma de fazer arte esculpindo, aves, índios e animais nativos seu amor pela beleza do cerrado.

Leia Também:  Secretaria de Esporte assume gestão do Programa Jovem Candango

O escultor não tinha ideia de quantas peças produziu, nem de quantas exposições realizou, mas seu trabalho foi conhecido além das fronteiras da capital, em diversas cidades do Brasil e do mundo, como Alemanha, Dinamarca, Espanha, França, Portugal, Noruega, entre outros países.

Secretaria de Cultura ocupa as redes

Outros equipamentos culturais da Secec também apostam nas redes sociais para trazer conteúdos, aproximar o público e trazer cultura e lazer para a comunidade durante o isolamento. Museu do Catetinho, Complexo Cultural Três Poderes, Biblioteca Nacional de Brasília e os Complexos Culturais de Planaltina e Samambaia, por exemplo, usam a Internet como ferramenta para contar a história e curiosidades sobre os espaços.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa  

Fonte: Governo DF

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

GOIÁS

SEGURANÇA

BRASIL E MUNDO

MAIS LIDAS DA SEMANA