DISTRITO FEDERAL

Festival de Brasília nasceu do sonho de um humanista louco por cinema

Publicados

em


Não é possível contar a história do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB) sem passar pela biografia de Paulo Emílio Salles Gomes (1916-1977), o homem que germinou a semente, em 1965, para a criação do que se transformou, hoje, num patrimônio imaterial. Com inscrições abertas até 10 de novembro, o FBCB segue sua continuidade na 53ª edição, que acontece de 15 a 20 de dezembro, com exibição no Canal Brasil e streaming Play Brasil.

“O sucesso do Festival de Brasília se deve muito ao prestígio de Paulo Emílio Salles Gomes (1916-1977), um homem que tinha grande amor pelo cinema brasileiro e presidiu a Comissão Coordenadora para criação da Primeira Semana do Cinema Brasileiro. O evento nasce daí”, recapitula hoje, no auge de seus 91 anos, o baiano Walter Albuquerque Mello, integrante do Comitê de 1965.

Assista ao vídeo:

Cinema revolução

“Cheguei a Brasília em 1965, prestes a completar 19 anos. Quando entrei na Fundação Cultural, hoje Secretaria de Cultura, o então diretor, professor Cleantho (Rodrigues Siqueira), designou essa Comissão, presidida pelo Paulo Emílio, e eu estava no grupo”, recorda Fernando Adolfo, 74 anos, que integrou a parte técnica do Festival de Brasília até 2010. “Assisti Paulo Emílio comentar filmes no Clube de Cinema de Brasília, que acontecia na Escola Parque, eram verdadeiras aulas”, volta no tempo, orgulhoso.

Leia Também:  Drive-In Paradiso devolve sessões gratuitas de cinema à população no mês de agosto

“No Brasil, nada nos

é estranho,

porque tudo o é.”

Paulo Emílio

Intelectual de ideias esquerdistas que chegou a ser preso por suas convicções partidárias, nos anos 1930, quando fugiu por um túnel de 10 metros junto com outros detentos, o paulista Paulo Emílio Salles fez de sua paixão pelo cinema nacional uma bandeira.

Humanista, antes de tudo

Assista ao vídeo:

Paulo foi coordenador do curso de Cinema na Universidade de Brasília (UnB), a convite de Pompeu de Souza, um dos articulares na criação da Faculdade de Comunicação da instituição de ensino. Pesquisadora apaixonada pela história do Festival de Brasília, a também baiana Berê Bahia registrou, em texto no catálogo comemorativo dos 30 anos do festival, que o evento nasceu graças à confluência daqueles que falavam de cinema na UnB.

Acrescenta, ainda, que a presença quase mediúnica de Paulo Emílio Salles, com seu estilo sempre didático e hipnótico, foi fundamental para o desembaraço na organização dos encontros e sessões de cinema. “Paulo Emílio é, portanto, o patrono, ou melhor, o pai deste festival”, escreve categoricamente.

Leia Também:  Empresas do Pro-DF II já podem regularizar situação

“Até o pior filme

brasileiro nos diz

mais que o melhor

filme estrangeiro.”

Paulo Emílio

Personagem marcante e cativo da mostra desde 1969, quando participou pela primeira vez do encontro com o curta-documentário “A Bolandeira”, o cineasta Vladimir Carvalho, 85 anos, concorda. “Paulo Emílio era um humanista de notável cultura, suas aulas aqui ultrapassaram o ambiente acadêmico e ocuparam lugares públicos, sendo aplaudidas efusivamente. Sob sua orientação, com o respaldo de outros mestres e apoio dos alunos, surgiu o que foi chamado inicialmente de 1ª Semana do Cinema Brasileiro”, relata o mestre paraibano.

Serviço:

Inscreva-se na 53o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB)

Mostra Competitiva

Mostra Brasília

Fonte: Governo DF

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

DISTRITO FEDERAL

Sara Winter terá que pagar 100 cestas básicas após ofender a honra de Ibaneis

Publicados

em

Sara “Winter” terá que pagar 100 (cem) cestas básicas a entidades filantrópicas indicadas pelo governador Ibaneis Rocha. Este foi o acordo celebrado na Justiça após Sara ser processada por Ibaneis por atacar a sua honra em um vídeo publicado em 14/06/2020 no qual xingou Ibaneis e o acusou de tentar enfraquecer a militância de rua bolsonarista em decorrência do decreto distrital que determinou o fechamento da esplanada e a desocupação do acampamento dos 300 do Brasil.

Ibaneis foi representado pela Dra. Estefânia Viveiros, ex-presidente da OAB/DF, nesta ação indenizatória a qual foi distribuída perante a 10ª Vara Cível de Brasília e resultou em acordo mediado e na retratação de Sara, a qual pediu “as mais sinceras desculpas pelos excessos cometidos pelo uso da palavra, entende que a retratação é justa e cabível, bem como exemplo aos demais manifestantes, para que entendam a importância da autocomposição dos conflitos e a primazia pela paz”.

Sara “Winter” também pediu que a população do Distrito Federal, onde mora, “tome como incentivo este ato para prezar sempre pela solução pacífica dos conflitos, sobretudo entre povo e governo, enquanto eleitores”. Por fim, ela agradeceu a oportunidade e parabenizou Ibaneis “por concordar com o encerrar do que seria um desgaste de emoções apesar das diferenças ideológicas, desejando que outros líderes sigam o exemplo, priorizando a conciliação, promovendo a paz, a civilidade e respeito recíprocos”.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Time feminino viaja para São Paulo com apoio do Compete Brasília
Continue lendo

FAMOSOS

DISTRITO FEDERAL

SEGURANÇA

MAIS LIDAS DA SEMANA