DISTRITO FEDERAL

Colônia Agrícola Sucupira ganha asfalto novo

Publicados

em


.

A Colônia Agrícola Sucupira, no Riacho Fundo I, está passando por uma grande obra de recapeamento asfáltico. É a primeira vez que a região ganha asfalto novo. A estimativa é de que em duas semanas a nova pavimentação seja colocada em toda a extensão da avenida principal. Cerca de 15 mil pessoas serão beneficiadas diretamente.

Residente em Sucupira há mais de 15 anos, Maria Angélica Oliveira comemora o começo da obra. “Os pequenos reparos de tapa buraco não são suficientes aqui. Após tantas promessas, finalmente vamos ter um novo asfalto nessa avenida”, conta a moradora, que acompanhou pelo portão a retirada do asfalto antigo.

“Mesmo em tempos difíceis, o Riacho Fundo I não para. Quero agradecer ao deputado Valdelino Barcelos que nos proporcionou a emenda parlamentar para que a obra fosse executada. Nossa gratidão também à Novacap e, principalmente, ao governador Ibaneis Rocha, que tem atendido nossa cidade com tanto carinho”, agradeceu a administradora Ana Lúcia Melo.

* Com informações da Administração Regional do Riacho Fundo

 

Leia Também:  Novos lavatórios nas escolas do Recanto das Emas
Fonte: Governo DF

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

DISTRITO FEDERAL

Museu Vivo da Memória Candanga expõe arte e história em suas redes sociais

Publicados

em


.

Foto: Lúcio Bernardo Jr. | Agência BrasíliaA exposição permanente “Poeira, Lona e Concreto” é parada obrigatória para quem visita Brasília. Espécie de menina dos olhos do Museu Vivo da Memória Candanga (MVCV), espaço cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec), a mostra pode agora ser vista por pessoas de qualquer parte da mundo.

Ao lado de “Casa de Madeira de Seu Pedro”, ganha, simultaneamente, as redes sociais da instituição (Instagram e Facebook).

Na série intitulada “Museu Vivo em Casa”, o acervo de edificações históricas, peças, objetos e fotos da época são revelados em detalhes, além de permitir que o internauta aprecie os jardins, as alamedas, as galerias do Museu Vivo da Memória Candanga, um dos espaços mais antigos do Distrito Federal.

A gerente do Museu Vivo, Eliane Falcão, destaca que, diante da pandemia, foi preciso articular meios alternativos para continuar difundindo um trabalho que preserva viva a história da cidade. “Vamos promover nas redes todas as memórias e particularidades do momento em Brasília nasceu”, celebrou.

“Poeira, Lona e Concreto” é composta de diferentes ambientações, que inclui fotografias, textos, móveis e objetos do início de Brasília. A mostra reúne de documentos importantes da “Missão Cruls” até projetos de Lucio Costa e de Oscar Niemeyer, além de acomodações dos pioneiros. Há ainda detalhes da vida de inúmeras famílias, fazendo com que a representação sociocultural se materialize para cada visitante.

Leia Também:  Novos lavatórios nas escolas do Recanto das Emas

Eliane Falcão considera importante que todo esse conhecimento seja disponibilizado de modo virtual. “A história dos candangos é retratada nessas exposições permanentes no Museu Vivo. São as principais vocações desse espaço cultural, pois demonstram a sensação de sonho realizado ao se estabelecerem na Capital Federal”.

“O Cerrado de Pau de Pedro” homenageia o acervo do artista popular radicado no DF, Pedro de Oliveira Barros, mais conhecido como seu Pedro, morto em 2005. A identificação do artista com a terra e a natureza fez com que ele procurasse nelas o seu  sustento. Pedaços de paus retorcidos, queimados e desprezados no cerrado viravam arte nas mãos do mestre Pedro, que lhes dava cores e formas, reinventando o meio natural.

Pelas mãos de seu Pedro, a história do início do Distrito Federal é contada pela riqueza de sua fauna e flora. As esculturas de “Cerrado de Pau de Pedro” retratam a diversidade da região escolhida para sediar a nova capital. Reinventando a natureza, mestre Pedro transmitiu em sua forma de fazer arte esculpindo, aves, índios e animais nativos seu amor pela beleza do cerrado.

Leia Também:  Governo Presente termina com 30 anos de espera por asfalto em bairro da Capital

O escultor não tinha ideia de quantas peças produziu, nem de quantas exposições realizou, mas seu trabalho foi conhecido além das fronteiras da capital, em diversas cidades do Brasil e do mundo, como Alemanha, Dinamarca, Espanha, França, Portugal, Noruega, entre outros países.

Secretaria de Cultura ocupa as redes

Outros equipamentos culturais da Secec também apostam nas redes sociais para trazer conteúdos, aproximar o público e trazer cultura e lazer para a comunidade durante o isolamento. Museu do Catetinho, Complexo Cultural Três Poderes, Biblioteca Nacional de Brasília e os Complexos Culturais de Planaltina e Samambaia, por exemplo, usam a Internet como ferramenta para contar a história e curiosidades sobre os espaços.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa  

Fonte: Governo DF

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

GOIÁS

SEGURANÇA

BRASIL E MUNDO

MAIS LIDAS DA SEMANA