CEARÁ

Com serviço de cuidados paliativos, HSJ proporciona qualidade de vida a pacientes

Publicados

em


.

A fotógrafa e produtora cultural Socorro Leite, 45, guarda, com muita emoção, os momentos vividos durante internação do pai, Abílio, em agosto deste ano. “Eu não me senti em nenhum momento desassistida no São José. Eu tive um suporte muito importante”, conta, ressaltando a relação construída com a equipe do Serviço Especializado de Cuidados Paliativos do Hospital São José (HSJ), unidade da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado. O pai de Socorro tinha 82 anos e convivia com o Alzheimer há uma década. No fim de julho, ele foi diagnosticado com pneumonia, o que agravou o quadro de saúde. “Eu desconhecia os cuidados paliativos e, quando descobri, fiquei encantada. É um suporte imenso tanto para o paciente quanto para a família”, aponta.

A equipe que encantou Socorro é multiprofissional. Reúne médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e nutricionistas. Todos formando uma rede que objetiva a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares diante de uma enfermidade que ameace a vida. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o cuidado paliativo deve acontecer através da prevenção e alívio do sofrimento, por meio de identificação precoce, avaliação correta e tratamento da dor.

Devido à pandemia de Covid-19, todo o processo da equipe se tornou mais complexo. “Tudo ter acontecido no meio da pandemia mexeu muito com todos nós da família. Meu pai era uma pessoa muito querida e, por mais que o hospital tenha flexibilizado visitas, minha mãe não pode ir, nem os outros amigos dele que são idosos”, conta Socorro, cuja família precisou ter todas as precauções mesmo o pai tendo testado negativo para o novo coronavírus.

Leia Também:  Serviço de Ouvidoria ganha painel demonstrativo na plataforma Ceará Transparente

Uma das profissionais que cuidou de Seu Abílio, a enfermeira Renata Maia sabe que, além da luta para controlar os sintomas de um paciente, o serviço que realiza enfrenta outro percalço: o estigma. “É muito comum a sociedade ter o pensamento de que cuidado paliativo é você não fazer mais nada. A gente escuta muito isso, mas é o contrário, a gente tem muito o que fazer. Sempre tem muito o que fazer”, destaca. A profissional é uma das quatro enfermeiras dedicadas a esse atendimento no Hospital São José, que há dois anos tem o serviço especializado. Em 2018, o Ministério da Saúde publicou uma resolução que normatiza a oferta de cuidados paliativos como parte dos cuidados continuados integrados de todas as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

“A gente coleta todas as informações do paciente, não só no que diz respeito à questão da doença, mas também coletamos a biografia, que é a peça-chave para o nosso trabalho”, afirma Renata. Ela detalha: “Além das questões socioeconômicas, a gente procura saber a comida preferida, qual música gosta de ouvir, o que gosta de fazer quando está em casa, também pergunta se o paciente tem alguma religião, qual a conexão dessa pessoa com o sagrado”. Munidos das informações, os profissionais podem pensar estratégias para oferecer alívio. “Dependendo do caso, a gente coloca até a música preferida aqui no bolso da roupa no momento do cuidado. Isso ajuda muito”, exemplifica. Equilibrando princípios e protocolos, a equipe leva em consideração muitos itens, sempre buscando qualidade de vida.

O serviço se estrutura em conjunto com o Ambulatório de Perdas e Luto do HSJ, importante ferramenta para ressignificar dores. “O cuidado paliativo previne e avalia o sofrimento através de uma identificação precoce que é feita nas dimensões física, psíquica, social e espiritual. As pessoas se sentem amadas e valorizadas em seus sofrimentos, pois o paciente é visto de forma integral. Esse serviço foi um dos maiores ganhos para o hospital, pois podemos dizer que o cuidado é feito de uma forma total”, certifica Simone Lima, psicóloga da unidade. “Quanto o ente querido morre, os familiares também ficam sendo assistidos e, com a Covid-19, esse cuidado acabou se expandindo”, pontua.

Leia Também:  HGWA reforça cuidados com a saúde mental de familiares de pacientes

Desafio na pandemia

Há quatro meses trabalhando no HSJ, a enfermeira Mariana Maia viveu a experiência de iniciar no Serviço Especializado de Cuidados Paliativos já durante a pandemia. No momento mais agudo, a profissional aponta que o principal desafio foi a comunicação entre pacientes e parentes. “Foi muito difícil. Muitas vezes, os familiares pediam para a gente gravar vídeo, áudio, tudo numa maneira de tentar estabelecer esse vínculo com a família, que não podia visitar o paciente. A gente fazia sempre para tentar amenizar esse sofrimento”, afirma, destacando que a única notícia que alguns parentes tinham vinham do parecer médico, que incluía ligações diárias para fornecer um relatório.

“O Hospital São José me transformou como profissional, me trouxe um olhar mais humano, eu soube lidar com as minha emoções. Em quatro meses de trabalho, eu mudei o que não tinha mudado em dois anos de formada”, avalia, evidenciando que o ambiente interno da equipe também é fundamental para o bom andamento das atividades. “A psicóloga não cuida só dos pacientes, cuida da gente também. Na nossa reunião semanal de equipe, podemos mostrar nossos sentimentos e trocar informações”, conta.

Fonte: Governo CE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CEARÁ

Famílias em áreas de risco recebem apartamentos no bairro Floresta e novas melhorias são anunciadas para o local

Publicados

em


A intervenção contemplará ainda a implantação de um calçadão com ciclovia, drenagem e pavimentação, bem como parquinho, quadra poliesportiva e campo de areia

O governador Camilo Santana participou ao lado do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, na manhã desta quinta-feira (1º) da entrega de 20 apartamentos e dois ecopontos na Lagoa do Urubu, no bairro Floresta, em Fortaleza. As entregas fazem parte da primeira etapa do programa de requalificação do local.

Um dos grandes desafios em várias áreas da Capital, de acordo com Camilo Santana, é melhorar a urbanização para que as comunidades possam usufruir dos espaços públicos. “Aqui está sendo feita uma grande intervenção, tirando as pessoas que moravam em área de risco e que hoje recebem suas moradias. Outras moradias serão construídas e haverá todo um processo de urbanização no entorno da lagoa para dar oportunidade e qualidade de vida a essas pessoas”, apontou.

Fazer esse tipo de investimento, ainda conforme o governador, significa melhorar a saúde das pessoas. “É preciso garantir a coleta e o destino adequado do lixo. Aqui terá urbanização com espaço para as pessoas fazerem cooper, conversar sobre o dia a dia. É uma forma de integração”, disse.

Leia Também:  Seplag e Íris promovem oficina sobre linguagem simples no governo

O local já ganhou uma areninha com gramado sintético, arquibancadas, refletores, vestiários, paisagismo, academia ao ar livre, mesas para jogos e mobiliários urbanos, distribuídos em mais de 5 mil m². “Esse é outro grande programa feito para os jovens e desportistas. No entorno das areninhas passa a melhorar a economia. É um conjunto de ações importantes para melhorar a vida das pessoas e diminuir a violência, destaca Camilo.

Melhorias

Durante a entrega das unidades também foi anunciada pelo prefeito Roberto Cláudio a ampliação das ações de urbanização e infraestrutura da área. “Está em licitação neste momento a urbanização, o calçadão que vai margear toda a lagoa permitindo a prática do cooper, o lazer em torno de uma área linda que tem um espelho de água que agora dá para ser visto”. Sobre os ecopontos o prefeito avaliou que asseguram o uso mais inteligente ambientalmente dos resíduos sólidos. “Porque lixo bem cuidado é mais saúde, limpeza e mais cuidado com a comunidade”. Outra demanda local prevista é a implantação de uma Escola Areninha, garantindo tempo integral para crianças do sexto ao nono ano ao lado da areninha já existente.

Leia Também:  HGCC capacita enfermeiros em hemotransfusão

Fonte: Governo CE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

GOIÁS

SEGURANÇA

BRASIL E MUNDO

MAIS LIDAS DA SEMANA