BRASIL

Operação em Minas mira tráfico de aves, répteis e mamíferos silvestres

Publicados

em


.

Uma grande operação foi deflagrada hoje (17) pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) com o objetivo de desarticular uma rede de tráfico de animais silvestres. A ação mira suspeitos de comercializar ilegalmente araras, tucanos, macacos prego, micos-leões dourados, cobras, tamanduás-mirim e até jacarés.

A Operação Macaw, como foi nomeada, envolveu 24 mandados de busca e apreensão. Ao todo, foram 23 alvos em sete cidades, seis delas no estado de Minas Gerais: Caratinga, Uberlândia, Sete Lagoas, Manhuaçu, Ribeirão das Neves e Caraí. O sétimo município é Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. Não havia mandados de prisão, mas ao menos três pessoas foram presas em flagrante por posse irregular de arma de fogo.

As investigações revelam estratégias sofisticadas para driblar a fiscalização. Há casos em que são utilizados criadouros licenciados pelos órgãos ambientais, misturando animais legais e ilegais como forma de esconder as atividades criminosas. Também são usadas notas fiscais falsas para enganar possíveis compradores, fazendo-os acreditar que são animais comercializados de forma lícita.

A ação mirou principalmente a busca por documentação falsa que revele indícios de ilegalidade, como notas fiscais e guias de trânsito animal. Esse material é considerado importante para fazer avançar as investigações. Também foi coletado material genético de animais, a partir do qual será investigado se são animais nascidos em cativeiro ou não. 

As ações se deram em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, a Polícia Militar, da Polícia Civil, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Instituto Estadual de Florestas (IEF-MG) e a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad). A articulação das instituições permitiu o cruzamento de dados. Foram identificados, por exemplo, infratores autuados em diferentes cidades mineiras por posse de animal silvestre, o que sugere envolvimento no tráfico.

Leia Também:  Incêndio no Museu Nacional não foi criminoso, aponta Polícia Federal

A promotora Luciana Imaculada de Paula, que está à frente da Coordenadoria Estadual de Defesa da Fauna do MPMG, diz que a união é fundamental para tentar contornar alguns desafios. “A nossa legislação é deficiente e compara o traficante com o usuário. Eles se enquadram na mesma pena. Então nós nos aperfeiçoamos com capacitação e com a elaboração de protocolos. Melhoramos nossas estratégias. Essa é a primeira operação que estamos realizando a partir da estreita parceria de todas estas instituições. Gostaria de registrar esse momento histórico que sinaliza o início de um novo trabalho”, anunciou Luciana.

Segundo a promotora, uma variedade de crimes serão investigados.”O tráfico representa perda de biodiversidade, representa um problema ambiental, representa um problema de agressão aos animais silvestres. Grande parte desses animais não resistem por causa de más técnicas de manejo e de transporte. E não podemos nos esquecer que o tráfico de animais silvestres geralmente se dá associado a outros crimes como maus tratos, associação criminosa, lavagem de dinheiro e falsificação”.

Foram apreendidas ainda gaiolas, celulares, notebooks e outros equipamentos eletrônicos. Alguns animais foram resgatados na operação, mas o quantitativo total não foi divulgado. Eles serão encaminhados a centros de triagem e reabilitação em Belo Horizonte, Juiz de Fora e Patos de Minas, onde receberão cuidados e serão avaliados em relação à possibilidade de devolução à natureza. Nem todos esses animais revelam capacidade de sobrevivência no seu habitat natural. De acordo com o IEF-MG, a taxa de reabilitação gira em torno de 60%.

Leia Também:  Polícia Federal prende suspeitos do roubo de dólares em Viracopos

Origens

A condução das investigações está sendo coordenada por Ana Paula Lima da Silva, promotora do MPMG em Caratinga. A cidade se localiza numa região rodeada por unidades de conservação, como Parque Estadual do Rio Doce e o Parque Nacional do Caparaó. “Foi a partir da apreensão de um tucano e 43 aves que construímos toda uma linha investigatória que culminou na operação de hoje. Constatou-se a existência de uma rede criminosa composta por várias pessoas, como médicos veterinários, advogados e até algumas personalidades conhecidas aqui da cidade de Caratinga”, conta a promotora.

Dados da PRF apontam que, em 2019, mais de 800 animais silvestres foram apreendidos nas rodovias de Minas Gerais. Desde o ano passado, mais de 100 pessoas foram presas em flagrante. “A gente deixa de enxugar gelo quando conseguimos fazer uma operação como essa e chega em quem está financiando e quem está a frente do crime. São quadrilhas organizadas e quem transporta é apenas mais um”, avalia Anderson Damasceno, inspetor da PRF.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Dia de luta contra o reumatismo é lembrado hoje no país

Publicados

em


Dores e inchaço nas articulações estão entre os sintomas mais comuns das doenças reumáticas. Apesar de estigmatizadas como problemas de idosos, essas doenças compõem um grupo de mais de 120 enfermidades, que acometem as juntas, ossos, músculos cartilagens e tendões, além da pele e dos sistemas respiratório e gastrointestinal. Celebrado em 30 de outubro, o Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo alerta para Importância do diagnóstico precoce e o impacto do tratamento adequado na qualidade de vida do paciente.

“As pessoas associam aos mais velhas, mas maioria das doenças reumáticas surge por volta dos 35 e 40 anos tanto em homens quanto em mulheres, no auge da vida profissional dos pacientes”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), José Roberto Provenza.

Entre as doenças mais comuns estão a artrite reumatoide, artrose, osteoporose, gota, tendinites e bursites, febre reumática e fibromialgia. No entanto, segundo Provenza, a falta de diagnóstico precoce e automedicação estão entre os maiores desafios no enfrentamento às doenças reumáticas.

“O paciente que apresenta uma dor persistente, por exemplo, de 3 a 4 semanas, principalmente com acometimento bilateral de mãos e punhos, rigidez matinal, aumento de temperatura e inchaço nas articulações faz com que tenhamos que chamar atenção”, afirma Provenza. “No entanto, o acesso fácil à anti-inflamatórios e a automedicação retardam a vinda do paciente ao consultório e podem agravar a doença”, completou.

Atualmente, o tratamento de doenças reumáticas conta com as chamadas drogas antirreumáticas modificadoras de doença que podem retardar o progresso de enfermidades. No entanto, elas só fazem efeito adequado quando administradas no surgimento do problema.

“Um paliativo não vai resolver por completo o curso da doença. Em muitas delas, a cartilagem vai sendo corroída e uma vez destruída, ela não recupera mais.  A pessoa vai ficando deformada. Assim, muitas vezes, a alternativa é conduzir o paciente para o ortopedista colocar uma prótese, por exemplo” afirmou Provenza.

“Outro problema é o excesso de propagandas falsas sobre produtos ditos como milagrosos, que prometem cura a doenças reumáticas. Temos que ter muita atenção, porque há dezenas de medicamentos que não têm o menor efeito e isso pode retardar o aparecimento do tratamento sério e do resultado precoce. Deveria haver um rigor maior com a comercialização desses produtos”, acrescentou.

Leia Também:  Previsão do tempo para Minas Gerais nesta segunda-feira, 31 de agosto

Impacto

Segundo Provenza, outra limitação para o diagnóstico precoce é o reduzido número de especialistas. No Brasil, atualmente são cerca de 1.800 médicos reumatologistas. A Região Sudeste concentra a maioria dos profissionais, aproximadamente 700 médicos estão no estado de São Paulo.

De acordo com a SBR, as doenças reumáticas têm um forte impacto no sistema de saúde do país. Entre setembro de 2019 a agosto de 2020, mais de 100 pessoas por dia foram internadas em hospitais ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) com sinais e sintomas compatíveis com alguma enfermidade reumática, conforme revela o Datasus1. No total, foram 40.014 hospitalizações.

Caso não sejam tratadas, essas enfermidades podem causar uma série de limitações e levar à incapacidade física, provocando o afastamento do trabalho e a aposentadoria precoce. Estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMU-USP)2 demonstrou que, em 2014, as doenças reumáticas lideraram as concessões de benefícios da Previdência Social, com 19% dos  auxílios-doenças e 13,15% das aposentadorias por invalidez.

Doenças

De acordo com Provenza, a fibromialgia é uma das doenças mais comuns em consultório e afeta 2,5% da população mundial, independente do gênero. Geralmente afeta mais mulheres do que homens e aparece entre 30 a 50 anos de idade. Para orientar a população, a sociedade de reumatologia tem uma cartilha com as doenças mais prevalentes, os sintomas e os possíveis tratamentos.

A doença se caracteriza por uma dor muscular generalizada, crônica, que pode persistir por mais de três meses. No entanto, enfermidade não apresenta evidência de inflamação nos locais de dor. Ela é acompanhada de sintomas como sono não reparador e cansaço. Pode haver também distúrbios do humor como ansiedade e depressão, e muitos pacientes queixam-se de alterações da concentração e de memória.

Leia Também:  Operação Mr. Hyde: MPDFT recorre para obter penas mais duras

Artrite reumatoide

Entre as mais comuns e graves está a artrite reumatoide, uma doença que tem o potencialmente deformante caso não tratada precocemente. A causa é desconhecida e acomete as mulheres duas vezes mais do que os homens. Inicia-se geralmente entre 30 e 40 anos e sua incidência aumenta com a idade.

Os sintomas mais comuns são os da artrite (dor, edema, calor e vermelhidão) em qualquer articulação do corpo sobretudo mãos e punhos. O comprometimento da coluna lombar e dorsal é raro mas a coluna cervical é frequentemente envolvida.

Gota

A gota é uma doença inflamatória que acomete sobretudo as articulações e ocorre quando a taxa de ácido úrico no sangue está em níveis acima do normal.

No entanto, nem todas as pessoas que estiverem com a taxa de ácido úrico elevada (hiperucemia) desenvolverão a gota. A maioria dos pacientes é de homens adultos entre 40 e 50 anos e, principalmente em indivíduos com sobrepeso ou obesos, com vida sedentária e usuários de bebidas alcoólicas com frequência. As mulheres raramente desenvolvem gota antes da menopausa e geralmente tem mais de 60 anos de idade quando a desenvolvem.

Espondilite Anquilosante

As manifestações da doença podem variar de somente um quadro de dores nas costas contínua e significativa localizada principalmente na região das nádegas, ou mais acima na região lombar. É uma doença mais grave e sistêmica, acometendo várias outras juntas, os olhos, coração, pulmões, medula espinhal e rins.

Normalmente, os pacientes desenvolvem os primeiros sintomas no final da adolescência ou no início da idade adulta (17 aos 35 anos de idade).

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA