BRASIL

Hemocentros se adaptam para receber doadores durante Covid-19

Publicados

em


Vítimas de acidentes, pessoas em tratamento de câncer, com anemias crônicas e que passaram por cirurgias estão entre as que precisam de doação de sangue. E, para isso, contam com os doadores que vão aos hemocentros praticar esse ato de solidariedade.

Em 2020, ano em que o país sofreu os impactos da Covid-19, houve redução de 15% a 20% no número de doações em relação a 2019, de acordo com dados preliminares do Ministério da Saúde. Segundo a pasta, uma das causas é a redução da circulação das pessoas.

Para que os doadores se sintam seguros e continuem indo aos postos de coleta de sangue, os hemocentros se adaptaram para recebê-los intensificando os cuidados com a higienização das áreas, instrumentos e superfícies, uso de antissépticos e acolhimento.

“Reforçamos que, mesmo neste período de coronavírus, ainda é necessário que as pessoas doem sangue. A maioria dos hemocentros está funcionando por agendamento. Aqui em Brasília (DF), estamos funcionando exclusivamente por agendamento para evitar grandes aglomerações de pessoas, separamos os assentos para manter o distanciamento, oferecemos álcool em gel para que os doadores possam higienizar com frequência as mãos. E a frequência de higienização dos ambientes também aumentou”, contou a chefe da seção do ciclo do doador da Fundação Hemocentro de Brasília, Anne Ferreira.

Seguindo as normas

O pai da bacharel em direito, Júlia Macedo, fez duas cirurgias em 2020 e precisou receber sangue. Para retribuir, ela foi com um grupo de amigas ao Hemocentro de Brasília para doar. Júlia contou que fez o agendamento e encontrou o local funcionando com limite de pessoas por horário. “Eles estão seguindo as normas de segurança com distanciamento e distribuição de álcool em gel”, relatou.

Leia Também:  Coronavírus em SC: Estado confirma 105.935 casos, 92.386 recuperados e 1.445 mortes por Covid-19

“Nosso plano é continuar doando sangue. Colocamos o tempo mínimo entre as doações no calendário e assim que estivermos liberadas para a próxima doação, vamos estar lá de novo”, afirmou Júlia Macedo.

Apesar da redução nas doações no ano de 2020, o ministério informou que não houve desabastecimento em nenhum hemocentro do Brasil. Atualmente, a taxa de doação de sangue voluntária da população brasileira é de 1,6%, número que está dentro do preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Campanha Nacional de Doação

Em função do novo coronavírus, a Campanha Nacional de Promoção da Doação Voluntária de Sangue lançada em junho de 2020 pelo Ministério da Saúde e reforçada em novembro teve como foco a importância de a população continuar doando apesar das restrições de deslocamento, uma vez que o consumo de sangue é diário e contínuo.

No entanto, a chefe da seção do ciclo do doador da Fundação Hemocentro de Brasília, Anne Ferreira, esclarece: “Se você está com qualquer sintoma de gripe não é o momento de ir até o hemocentro. Você precisa aguardar pelo menos 14 dias após o fim dos sintomas para poder doar sangue. E se você já teve Covid-19, você só pode doar 30 dias após o fim dos sintomas”.

Em 2020, o ministério investiu R$ 1,6 bilhão na rede de sangue e hemoderivados no Brasil. Em 2019, o investimento foi de R$ 1,5 bilhão. O valor engloba também aquisição de medicamentos e equipamentos, reformas, ampliação e qualificação da rede.

O que é preciso para ser doador:

Ter idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos. Os menores de 18 anos devem ter consentimento formal do responsável legal

Leia Também:  Hospital Oswaldo Cruz abre ala exclusiva para Covid-19

Pesar no mínimo 50 kg

Estar alimentado. Não ingerir alimentos gordurosos antes da doação

Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas

Apresentar documento de identificação com foto emitido por órgão oficial. Serão aceitos documentos digitais com foto

Os doadores do sexo masculino devem manter um intervalo de dois meses entre uma doação e outra com o máximo de quatro doações no período de um ano. Para as mulheres, o intervalo é de três meses com o máximo de três doações ao ano

Impedimentos temporários para a doação:

Gripe, resfriado e febre: aguardar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas

Infecção pelo novo coronavírus: aguardar 30 dias após a completa recuperação

Período gestacional

Período pós-gravidez: 90 dias para parto normal e 180 dias para cesariana

Amamentação: até 12 meses após o parto

Ingestão de bebida alcoólica: aguardar 12 horas após o consumo

Exames/procedimentos com utilização de endoscópio nos últimos 6 meses

Vacina da febre amarela ou sarampo: aguardar 4 semanas após a vacinação

Tratamento dentário cirúrgico como extração, tratamento de canal: 7 dias após o procedimento e/ou suspensão dos medicamentos

Impedimento definitivo:

Ter passado por um quadro de hepatite após os 11 anos de idade

Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, Aids (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV 1 e 2 e doença de Chagas

Uso de drogas ilícitas injetáveis

Fonte: Brasil.gov

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Comunidade científica começa a usar app Talentos Capes

Publicados

em


O mais recente aplicativo lançado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Talentos Capes, já encontra vários adeptos entre os pesquisadores. A ferramenta foi ao ar há pouco mais de uma semana e deve abrir oportunidades de trabalho para ex-bolsistas com formação no exterior. Até agora são 293 usuários acessando por dispositivos Android e 37 em iOS.

Uma das cientistas a fazer uso do app é Nathália de Carvalho Ramos, cirurgiã-dentista cuja formação está vinculada à Universidade Estadual Paulista (Unesp) com um período na New York University (EUA), durante o doutorado. Para ela, o Talentos Capes pode vir a ser “uma rede social dos pesquisadores e alunos de todas as áreas no Brasil. A plataforma tem potencial para ser uma excelente ferramenta de relacionamento”.

A estratégia com o aplicativo é apresentar às empresas um conjunto de dados a respeito do trabalho desenvolvido no exterior. O cadastro é feito pelo próprio ex-bolsista, que edita o perfil acadêmico e profissional, assim como os contatos, a qualquer momento. É uma forma de manter as informações atualizadas, aumentando as chances de conseguir empregos no Brasil.

Leia Também:  Seis vítimas do acidente entre ônibus e caminhão permanecem internadas

O app amplia as conexões e relacionamentos acadêmicos e profissionais de ex-bolsistas de mestrado e doutorado pleno financiados pela Capes. A plataforma permite a pesquisa por título, área, palavra-chave e país, além de possibilitar a publicação do link de acesso ao currículo Lattes e ao Orcid.

A plataforma é, ainda, um caminho para alinhar parcerias e cooperações com outros países. Isso facilita a internacionalização de instituições de ensino superior e institutos de pesquisa que estejam em fase inicial, além de colaborar para o preenchimento das bolsas em editais da Capes do Programa Institucional de Internacionalização (PrInt).

O aplicativo está disponível na Play Store, para equipamentos com sistema Android, na App Store, para iOS, e em versão web.

Com informações da Capes

Fonte: Brasil.gov

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA