BRASIL

Crimes contra a mulher aumentam em agosto no estado do Rio

Publicados

em


.

O número de homicídios dolosos (quando há a intenção de matar) caiu 20% no estado do Rio de Janeiro em agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019. Este foi o número mais baixo para o indicador no mês de agosto em toda a série histórica, iniciada em 1991 pelo Instituto de Segurança Pública (ISP).

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (15) pelo ISP, foram registradas no mês passado 256 crimes de morte contra os 320 ocorridos no mesmo mês em 2019. Já os crimes contra a mulher, como estupro, lesão corporal dolosa e ameaça de espancamento aumentaram em agosto em relação ao mês anterior.

Os crimes tipificados pela Lei Maria da Penha caíram 30% em agosto. Apesar da queda dos registros das transgressões analisadas, aumentou a proporção de crimes mais graves ocorridos  em casa. No período estudado neste ano, 67,1% dos crimes de violência sexual (58,3% em 2019) e 66% dos de violência física (60,2% em 2019) foram cometidos dentro de casa.

Pandemia

Desde o início da pandemia de covid-19, com a convivência maior dos casais dentro de casa, o número de ligações para o Serviço 190 da Polícia Militar referentes a crimes contra a mulher aumentou 12,2%, na mesma comparação de datas.

Leia Também:  Direitos políticos de mulheres: Brasil é o 9º entre 11 países, diz ONU

No entanto, desde o fim de maio, o registro de vítimas mulheres vem aumentando. Em agosto passado, os números voltaram a se aproximar do patamar de 2019. Na última semana de agosto, contudo, os registros relacionados a violência sexual, psicológica e moral caíram notadamente na comparação com 2019.

Os feminicídios aumentaram 6,9%, em relação ao total de registros de julho. Já os crimes de lesão corporal dolosa e ameaça contra mulheres diminuíram 9,5% e 11%, respectivamente, na  comparação de agosto de 2019 para agosto deste no. Os estupros registraram aumento de 6,5% no mês passado comparado ao mesmo mês do ano anterior. Em paralelo com o mês de julho de 2020, houve aumento do número de vítimas para os três delitos: 3,4% a mais para lesão corporal dolosa, 13,4% para ameaça e 24,8% para as vítimas de estupro.

Os crimes violentos letais intencionais (homicídio doloso, roubo seguido de morte e lesão corporal seguida de morte) fizeram 2.492 vítimas de janeiro a agosto. No mês passado, foram 269. Os números são os menores para o acumulado e para o mês desde o início da série histórica, em 1999. Na comparação com o ano passado, o indicador caiu 12% em relação ao acumulado do ano e de 18% na comparação com agosto de 2019.

Leia Também:  INSS cria alternativa para obter documentos durante pandemia em SP

Outros indicadores

As mortes por intervenção de agentes do Estado também se reduziram: de janeiro a agosto, foram 878 mortes – 50 em agosto. Na comparação com o ano passado, houve queda de 30% na comparação com o acumulado do ano e de 71% em relação a agosto.

De janeiro a agosto, houve 3.516 casos roubos de carga no estado roubos de carga no estado, sendo 416 em agosto. Na comparação com o ano passado, o indicador caiu 33% em relação ao acumulado do ano e 29% ante agosto. Os roubos de veículos também diminuíram em relação ao mesmo período do ano passado: 17.407, sendo 1.793 em agosto. Na comparação com 2019, houve queda de 38% no acumulado do ano e de 44% em relação a agosto.

Os roubos de rua (roubos a transeuntes, de aparelhos celulares e em coletivos) somaram 49.201 registros de janeiro a agosto e de 5.414 em agosto. Na comparação com o ano passado, houve queda de 42% no acumulado do ano e de 45% em relação a agosto.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Protocolos estão garantindo segurança nos voos, dizem empresas aéreas

Publicados

em


Os protocolos sanitários no check-in e a filtragem contínua do ar dentro dos aviões estão garantindo a segurança nos voos, disseram hoje (28) os presidentes das companhias aéreas Latam, Gol, Azul e VoePass. Eles participaram da abertura do Abav Collab, evento que ocorre nesta semana em Salvador, organizado pela Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav).

Segundo o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, a companhia registrou apenas um tripulante infectado por covid-19 a cada 1.106 voos. Para ele, a baixa incidência de casos na empresa é reflexo dos filtros especiais que renovam o ar constantemente dentro das aeronaves, aliada às medidas de segurança sanitária nos aeroportos.

“A indústria é um organismo único que tem que zelar pela segurança independentemente de qualquer estratégia comercial. Fomos testados em como garantir que voar era seguro durante a pandemia. É fundamental enxergar que os quatro principais líderes de companhias aéreas brasileiras vão garantir essa segurança”, afirmou Kakinoff em painel virtual promovido pelo evento.

Presidente da Latam Brasil, Jerome Cadier disse que a companhia também registra números baixos de contaminação. Segundo ele, a padronização dos protocolos tem preservado a segurança dos voos em toda a indústria aérea brasileira.

“Os números são muito parecidos, até porque os protocolos e a ações tomadas para limpeza das aeronaves são iguais. Do fechamento da porta a abertura da porta foi tudo repensado”, declarou Cadier. 

Além da menor proximidade entre os passageiros e os tripulantes dentro das aeronaves, Cadier citou a automatização do processo de check-in, com o uso de celulares e computadores, como medida que reduz o contato físico nos aeroportos.

Leia Também:  Estado de SP planeja comprar 10 milhões de seringas para vacina da Covid-19

O presidente da Azul, John Rodgerson, disse que a colaboração dos passageiros tem sido importante para preservar a segurança sanitária nos voos, como nos casos em que alguém que tira a máscara é repreendido pelas demais pessoas no avião. O presidente-executivo da VoePass, Eduardo Busch, concordou e disse que os passageiros estão disciplinados e respeitando os protocolos de embarque e de voo.

Demanda

Os presidentes das companhias aéreas também comentaram as perspectivas para a retomada da demanda. Segundo Kakinoff, da Gol, os clientes estão reservando as viagens com menos antecedência durante a pandemia. No caso dos viajantes a lazer, as reservas, que costumavam ser feitas até cinco meses antes do embarque, estão sendo feitas 15 dias antes.

Busch, da VoePass, disse que a recomposição da malha aérea representa o principal desafio para a companhia. Com a desativação das rotas no início da pandemia, as empresas precisam diagnosticar por onde a retomada deve começar. Ele explicou que a companhia deu prioridade às rotas para a Região Norte porque muitas cidades da região ainda estavam com o transporte fluvial comprometido, o que permitia ao transporte aéreo atender à demanda reprimida.

Leia Também:  Vacina contra novo coronavírus deve estar disponível em outubro

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

GOIÁS

SEGURANÇA

BRASIL E MUNDO

MAIS LIDAS DA SEMANA