Amazonas

Delegacias da capital serão reformadas por detentos do sistema prisional, anuncia secretário da Seap

Publicados

em


As 30 Delegacias de Polícia Civil de Manaus devem ser revitalizadas, a partir do ano que vem, por detentos do sistema prisional do estado. A informação foi dada pelo secretário de Administração Penitenciária, coronel Vinícius Almeida, durante entrevista ao programa “Segurança em Foco”, da Rádio Encontro das Águas, na manhã deste sábado (28/11). A revitalização das unidades é prioridade do calendário do programa “Trabalhando a Liberdade”, disse.

O “Segurança em Foco” é veiculado aos sábados, das 8h às 10h, na Rádio Encontro das Águas 97,7 FM, e é produzido em parceria com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).

Durante a entrevista, o secretário de Administração Penitenciária destacou os avanços no trabalho de remição de pena realizado com os internos do sistema prisional amazonense. De acordo com o coronel Vinícius, os detentos estão sendo capacitados tecnicamente para romper laços com o crime e com facções criminosas, de forma que tenham condições de se reinserir na sociedade após o cumprimento das penas estabelecidas pelo Poder Judiciário.

“Iniciamos esse trabalho de capacitar os internos e dar oportunidade de conhecimento técnico e, em seguida, usar isso para beneficiar a própria sociedade, com obras dentro do sistema prisional, reduzindo bastante nosso custo; e também fora do sistema”, disse o titular da Seap.

Leia Também:  Governo do Amazonas inaugura nova sede da Suhab

Vinícius Almeida disse que, ainda neste ano, a expectativa é fechar uma ata de registro de preço para que o projeto de revitalização dos 30 Distritos Integrados de Polícia de Manaus sejam reformados. “Quero adiantar que, no ano que vem, essa é uma meta muito próxima de ser realizada, vamos utilizar essa mão de obra toda para reformar todas as delegacias da capital do estado. A nossa meta e desafio é reformar todos os DIPs em um ano”, pontuou.

O secretário destacou, ainda, as medidas de rigor no sistema, como a retirada de tomadas de dentro das celas, o que ajuda a impedir o contato dos presos com pessoas do lado de fora da cadeia.

“Essa ideia é compreender que o crime não pode ser retroalimentado, nós temos que quebrar essa cadeia histórica do crime. Primeiro, dando oportunidade àqueles que querem ter oportunidade para sair dessa vida. Segundo, mantendo um rígido controle de segurança dentro do sistema prisional”, afirmou o coronel.

Ainda nesse mês, a Seap disponibilizou a mão de obra de 12 internos para a realização de diversos serviços no Regimento de Policiamento Montado Coronel Bentes (RPMon). No local, os internos efetuaram a pintura e artes de três alojamentos do estabelecimento, entre outros serviços prestados.

Leia Também:  Governo federal anuncia novas regras para teletrabalho no Executivo

Outras duas galerias da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), localizada na estrada do Puraquequara, ramal Bela Vista, estão passando por reforma, e 14 internos do programa estão participando dos serviços, que incluem obras de pintura, hidráulica e elétrica. A entrega do local está prevista para dezembro.

‘Trabalhando a Liberdade’ – Criado em 2019, o programa prevê o uso da mão de obra carcerária em reformas e manutenções dentro e fora das unidades prisionais. Em contrapartida, os reeducandos conseguem reduzir em um dia a sua pena a cada três dias trabalhados. Em 2020, são mais de 1,2 mil detentos inseridos no programa.

Os serviços realizados vão desde limpeza, pedreiro, elétrica, pintura, hidráulica, metalurgia, agrícola, roçagem, entre outros.

Entre as frentes de obras realizadas fora dos presídios, estão a revitalização do 1º DIP, delegacia da mulher, do idoso, roubos e furtos, manutenção da AM-070, Largo de São Sebastião, Vila Olímpica e batalhões da Polícia Militar do Amazonas.

Fonte: Governo AM

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Amazonas

Transferência de pacientes para outros estados obedece rígidos protocolos de segurança

Publicados

em


A transferência para outros Estados de pacientes com Covid-19, internados em unidades da rede de Saúde do Amazonas, tem seguido rígidos protocolos de segurança para resguardar pacientes e profissionais que estão atuando na operação. As transferências foram iniciadas nesta sexta-feira (15/01), já tendo sido removidos 21 pacientes para as cidades de Teresina e São Luís do Maranhão.

O Governo do Amazonas decidiu pela remoção de pacientes com perfil moderado da doença, após dificuldade de abastecimento de oxigênio apresentado pela empresa White Martins, responsável pela oferta do serviço, devido ao aumento da demanda pelo produto nos últimos 15 dias, com o crescimento no número de internações na rede estadual.

Os pacientes transferidos são selecionados atendendo a classificação de risco do protocolo de Manchester, adotado pelos médicos que atuam na Central Unificada de Regulação de Agendamento de Consultas e Exames (Cura), que estabelece as prioridades de atendimento de acordo com o quadro clínico de cada caso.

Dessa forma, o paciente que for transferido é avaliado antes de sair da unidade e reavaliado antes de embarcar na aeronave, devendo apresentar os sinais vitais (frequência cardíaca, respiratória e pressão arterial) em estabilidade.

Leia Também:  Governo federal anuncia novas regras para teletrabalho no Executivo

Os pacientes também assinam um termo de consentimento para a transferência. O transporte aéreo tem sido feito pela Força Aérea Brasileira (FAB), que tem atuado na força-tarefa ao lado do Governo do Estado e Ministério da Saúde (MS) no enfrentamento da crise sanitária provocada pela Covid-19.

A especialista em Urgência e Emergência da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), Neylane Macedo, reforça que o paciente passa por uma avaliação médica, antes de embarcar. “Em primeiro lugar o médico avalia o paciente e depois examina o nível de infecção dele, que deve ser estável. Ele também não pode ter tido febre por pelo menos dois dias. Com esse tipo de transporte não pode ter nenhum tipo de intercorrência, eu tenho que levar o paciente em estável e chegar com ele no destino estabilizado”, afirma.

O Secretário de Estado de Saúde, Marcellus Campêlo, explicou que o processo de transferência ajuda a aliviar a pressão no consumo de oxigênio na rede pública de saúde até equacionar a logística de distribuição do produto. “São pacientes que têm nível moderado do perfil clínico que estão sendo recebidos pelos nossos irmãos. Os aviões foram adaptados pra receber os pacientes, existe um número máximo de recebimento e as nossas equipes de saúde estão acompanhando os pacientes”, disse o secretário.

Leia Também:  Noventa e nove internos dos CDPMs 1 e 2 são certificados em cursos profissionalizantes

 

Plano de Cooperação – O Plano de Cooperação entre os Estados foi anunciado pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, e foi pensado com base na escassez de oxigênio no Estado para suprir a demanda gerada com o aumento de hospitalizações na rede pública de Saúde, decorrentes da pandemia do novo coronavírus.

Na madrugada deste sábado (16/1), o governador Wilson Lima acompanhou a chegada de 70 mil metros cúbicos de oxigênio, por meio de balsas, oriundo da cidade de Belém (PA). Essa nova remessa vai garantir a retomada do equilíbrio do abastecimento da rede de saúde do estado para os próximos dias e já começou a ser distribuída nas unidades de saúde. O insumo é uma aquisição do Estado por meio da fornecedora White Martins.

Fonte: Governo AM

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA